Urina = Ouro Líquido — conheça o fertilizante natural que você tem desperdiçado todos os dias!

Para entender este assunto, vamos começar dando uma olhada no CICLO DOS NUTRIENTES: Tudo começa no solo, onde estão os nutrientes, que são utilizados pelas plantas para produzir os alimentos, quer dizer, as plantas SÃO os alimentos, a base da cadeia alimentar, servindo de comida, direta ou indiretamente, a todos os organismos terrestres (isso simplificadamente falando, claro). Então, quando nos alimentamos, o que nós queremos são justamente esses nutrientes — nutrientes do solo, transformados pelas plantas, já que somos heterótrofos.

Todos os seres na natureza devolvem os nutrientes ao solo (através de suas excreções ou pela decomposição de seus cadáveres), onde são reciclados. E nós, o que fazemos? Fazemos diferente, pois somos tããão racionais e civilizados… então cagamos e mijamos na água e mandamos para os rios e mares, e aterros sanitários, através do saneamento convencional. Assim, poluímos o ambiente e ao mesmo tempo desperdiçamos todos esses nutrientes, que não são retornados ao solo.

Agora, vamos voltar ao que acontece no nosso corpo: após entrarem no organismo na forma de alimentos, os nutrientes se dividem em dois caminhos: uma parte não é efetivamente absorvida, sendo eliminada na forma de fezes. Mas a maior parte É absorvida, sendo utilizada no metabolismo, para todas as funções fisiológicas; ao final desses processos, todos esses nutrientes são eliminados pela urina (exceto o carbono, que é eliminado pelo ar expirado, na forma de gás carbônico).
Assim como a maior parte dos nutrientes é absorvida, também a maior parte dos nutrientes excretados estão presentes na urina, e não nas fezes. Das nossas excreções diárias, 90% do nitrogênio, 50 a 65% do fósforo e 50 a 80% do potássio estão contidos na urina. A fração sólida da urina é composta em média de 16% de N, 3,7% de P e 3,7% de K.* Esta informação torna óbvio seu potencial como fertilizante.
Então, olha só que engraçado, por um lado vivemos jogando fora este valiosíssimo recurso, o que causa problemas ambientais, e por outro lado compramos adubos, o que também causa problemas ambientais!

A urina pode e deve ser utilizada como fertilizante, e isso pode ser feito de forma muito simples. Em contraste com as fezes, que têm grande potencial de transmissão de doenças, devendo portanto ser tratadas (e.g. através da compostagem) para uso seguro como fertilizante, a urina é, em condições normais, praticamente estéril.
A urina pode ser usada imediatamente ou após armazenamento por praticamente qualquer período de tempo, na forma líquida, como fertilizante. Os benefícios às plantas são evidentes — você verá que aquelas suas plantas que andam meio amareladas, tristes, voltam a ficar verdinhas e lindas, e retomam o crescimento rapidamente, uma diferença perceptível em poucos dias a algumas semanas.
Para uso como fertilizante, é necessário que se dilua a urina, pois na forma como deixa o nosso corpo, ela tem uma concentração elevada de sais que pode danificar a maioria das plantas. Uma diluição de 1:10 (ou seja, uma parte de urina para dez partes de água) ou 1:20 geralmente é adequada na estação chuvosa. Aplique a preparação de urina diretamente dentro da bacia de suas mudas, por cima ou debaixo da cobertura vegetal morta. A mesma preparação de urina pode ser usada para fertilização de hortas; porém, para aplicação em hortaliças, é preferível a aplicação subsuperficial (através de um tubo perfurado, envolto por uma camada de cascalho, enterrado dentro do canteiro), de forma que a urina não tenha contato com a parte aérea das plantas.

ferti-irrigacao subsuperficial
Canteiro com ferti-irrigação subsuperficial

Uma preocupação comum e totalmente pertinente em relação ao uso de urina como fertilizante diz respeito ao cheiro. Infelizmente, existe, sim, a questão do cheiro. Todos sabemos que urina não é inodora, e sua aplicação no ambiente tende a produzir… cheiro de mijo velho. Esse cheiro pode ser maior ou menor, dependendo de vários fatores. Quanto mais diluída a urina, menor a tendência a problemas com odores. Se você adicionar a urina cuidadosamente dentro da bacia ao redor de sua planta, sob uma boa camada de cobertura de solo, o odor será praticamente imperceptível. De qualquer forma, o cheiro de urina tende a desaparecer dentro de algumas horas, então muitas pessoas julgam que este é um inconveniente tolerável. Porém, isso pode não ser aceitável em todas as situações; nesses casos, é melhor optar pela aplicação na forma de ferti-irrigação subsuperficial.

Uma combinação que tem ganhado destaque na agricultura orgânica e permacultura é o uso de cinzas de madeira associado à urina na correção e fertilização do solo. Cinzas de madeira têm grande valor na correção da acidez do solo e fornecimento de importantes nutrientes. Sua associação com a urina tem-se mostrado muito efetiva no incremento da produção vegetal.**

Referências:
* Rose, C. et al. The characterization of feces and urine: a review of the literature to inform advanced treatment technology. Critical Reviews in Environmental Science and Technology. 2015.
** Pradhan, S. K. et al. Stored human urine supplemented with wood ash as fertilizer in tomato (Solanum lycopersicum) cultivation and its impacts on fruit yield and quality. Journal of Agricultural and Food Chemistry. 2009.

Para uma discussão mais detalhada sobre este assunto, recomendo a leitura do livro “Liquid gold: the lore and logic of using urine to grow plants”, de Carol Steinfeld.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s